“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

12/03/2012

Em Roma há gatos por todo lado!

Soube que em Roma há gatos por todo o lado. Seja nas praças, seja em calendários, posteres, igrejas... Já estou pedindo ao meu amigo Frabrizio, que é romano, que me envie alguns cartões postais que vi no vídeo (abaixo) e que são vendidos no abrigo, pois há uma lojinha que vende louças, canecas,camisetas, bibelôs, tudo com Gatos! Claro que me enlouqueceram!

Dizem que um dos lugares mais curiosos para vê-los é na Praça Argentina. O Largo di Torre Argentina é uma praça em Roma, na zona de Campus Martius, onde constam alguns templos da época da República Romana, e as ruínas do Teatro de Pompeu, onde Júlio César foi assassinado nos Idos de Março de 44 a.C.no grande pórtico anexo ao teatro.

O nome da praça Torre Argentina não tem qualquer relação com o país sul-americano, mas sim com a cidade de Estrasburgo, cujo nome original era Argentoratum.

Ali, convivendo pacatamente com as ruínas, estão mais de 600 gatos que a cada ano são abandonados, segundo dizem, são esterilizados e prontos para adoção. Esse número deve ser mutante...vai saber nesse exato momento? E não é apenas nessa ruína - diga-se de passagem maravilhosa! - que eles resolveram viver. Há outras ruinas por Roma, como por exemplo no Coliseu, que se tonaram a moradia oficial dos gatinhos. É que são lugares silenciosos, não passam automóveis, são controladas as visitações: lugar perfeito para os gatos!

A adoração dos romanos pelos gatos tem a ver com o fato de terem contribuído em tempos idos para acabar com a peste transmitida pelos ratos. Foram importados do Egito para cumprirem seu papel de caçador. Dizem também que com o fato de que durante a 2ª Guerra Mundial, os romanos devido à falta de alimentos, comiam os bichanos e que quando terminou a guerra passaram a alimentá-los como forma de compensá-los por tal caçada.

Existe um "centro de abrigo" na Praça Argentina para estes animais que só vivem da caridade dos amantes de gatos. Um Veterinário Americano, que já foi turista, ficou por lá para cuidar dos gatos. São chamadas as "damas gattari" ou "damas gateiras".


O problema do abandono e reprodução incontrolada dos animais, existe no mundo inteiro. E os governos por lá também, não se importam muito com a sobrevivência deles. Há, igual aqui no Brasil, um trabalho voluntário incansável para protege-los, castrá-los, colocá-los para doação, alimentá-los, conseguir alimentos e remédios para cuidar dos doentes... e diariamente os felininhos são abandonados nessas ruínas.

Vejam que o vídeo (traduzido para o espanhol) explica bastante!






Leia também: Ainda sobre os "Gatti di Roma"

Nenhum comentário: