“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

18/12/2014

O ano está ficando velho



O ano está ficando velho. E eu também. Loguinho ele se vai, levando as boas e as más lembranças para não ofuscar aquele que nasce, com novo brilho e novas esperanças. Ele se vai e a qualquer hora me leva também. Mesmo sendo o mesmo brilho e as mesmas esperanças de sempre, elas se fortalecem ao longo dos anos. Sempre, ou até o fim dos tempos, do pequeno infinito que é a minha vida finita. (Ada, 18/12/14)

Nenhum comentário: