“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

02/04/2009

Já passou, que bom!

2 comentários:

Pensadora disse...

toc toc toc
Alguém em casa?

Vim visitar seu cantinho que, por sinal, é muito aconchegante.

E obrigada pela visita ao Superdosagem!

Beijos da Pensadora.

Elenara Stein Leitão disse...

Que bom mesmo.
Não poder falar, não poder ver tudo, não poder escolher os rumos, ser um adolescente pais, não saber, não optar, não.

Liberdade, mesmo ruim, é melhor que qualquer ditadura. E ser livre por dentro é das nossas maiores conquistas. Aprender a pensar por conta própria. E bancar as próprias decisões.
Beijos