“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

28/11/14

Sobre um rio


O rio que fazia uma volta
atrás da nossa casa
era a imagem de um vidro mole...
Passou um homem e disse:
Essa volta que o rio faz
se chama enseada...
Não era mais a imagem de uma cobra de vidro
que fazia uma volta atrás da casa.
Era uma enseada.
Acho que o nome empobreceu a imagem.

Manoel de Barros

13/11/14

Morreu Manoel, que amarrava o tempo no poste









O apanhador de desperdícios
Uso a palavra para compor meus silêncios.
Não gosto das palavras
fatigadas de informar.
Dou mais respeito
às que vivem de barriga no chão
tipo água pedra sapo.
Entendo bem o sotaque das águas
Dou respeito às coisas desimportantes
e aos seres desimportantes.
Prezo insetos mais que aviões.
Prezo a velocidade
das tartarugas mais que a dos mísseis.
Tenho em mim um atraso de nascença.
Eu fui aparelhado
para gostar de passarinhos.
Tenho abundância de ser feliz por isso.
Meu quintal é maior do que o mundo.
Sou um apanhador de desperdícios:
Amo os restos
como as boas moscas.
Queria que a minha voz tivesse um formato
de canto.
Porque eu não sou da informática:
eu sou da invencionática.
Só uso a palavra para compor meus silêncios.



Manoel de Barros

12/11/14

Igualdade de gêneros no mundo está longe de nós


O documento do Fórum Econômico Mundial em Davos destaca que os avanços na questão da igualdade de gêneros em todo o mundo foram pequenos. A brecha entre homens e mulheres ainda está em 60%, e em 2006 era de 56%, ou seja, aumentou a diferença! Nesse ritmo, levará 81 anos para o mundo fechar essa brecha completamente. Isso significa que minha bisneta talvez possa vislumbrar algum avanço. Com maior probabilidade, minha tataraneta poderá desfrutar dessa igualdade! 

06/11/14

Proponho uma flor

Diante de tanta obscuridade que ainda persiste nas sociedades do mundo inteiro, proponho uma flor. Poderia ser um cravo, como foi na revolução em Portugal. Não poderia ser jamais uma rosa de Hiroshima... (Ada, 5/11/2014)


30/10/14

Desigualdade


O fator mais íntimo do "neoliberalismo" é a concentração de renda e a desigualdade social galopante. Sete em cada dez pessoas no mundo vivem em países onde o abismo entre ricos e pobres cresceu assustadoramente nos últimos 30 anos. É chocante a desigualdade entre os 10% mais ricos e os 90% mais pobres. Ela está fora de controle no mundo todo. O capitalismo jamais dará soluções a essas desigualdades. Triste!