“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

25/01/2011

Entrando 2011 com a mão direita!


Minha mão direita ainda está inflamada, a concentração agora é sobre um tendão, acima do dedo médio, afetado pelo gatázio da Tina. Todos sabem que unha de gato é cruel. Mãos são delicadas e difíceis de sarar, com pouca carne e um monte de enervações e tendões, é região complexa de regeneração, enfim: Tina me pegou de jeito! Uma unha em anzol e cheia de bactérias entrou por baixo do tendão e enganchou-o violentamente, tanto que esta sua unha quase foi arrancada, ficando literalmente pendurada e sangrando. Gatesco!

Dia 30 de dezembro, feliz da vida, acabamos de chegar à praia - tá certo que muita chuva estraga e dá-lhe chuva - mas é bom sair de casa e da cidade para as festas de fim de ano. Tina, a gata siamesa de Mayra, fugiu pela porta do apartamento e desembestou-se escadaria acima. Me precipitei atrás dela e a agarrei pelas costas. Qual o quê, assustou-se, virou-se rapidamente, como só os gatos o sabem fazer, e fez gatezas, me atacou com unhas e dentes com a mesma vontade com que a agarrei. Confesso que a assustei, mas que luta desigual! Tragédia total às vésperas do ano novo!

Um coquetel de antibióticos e anti-inflamatórios me acompanharam nos brindes de feliz ano novo, enquanto todos tomavam champagne... Para ajudar, sou alérgica e minha mão inflamou inteira, ficou do tamanho de um pão italiano fumegante que acaba de sair do forno.

O antibiótico receitado não funcionou e depois de 4 dias foi trocado e só então começou a fazer efeito, lentamente, doloridamente. Nada de sol, nada de mar, nada de nada, só umas nesguinhas e uma ducha de água fria quando o sol resolvia aparecer – e foi bem pouco – no mais, muita compressa com bolsa de água quente. Comprometidos, quaisquer movimentos com a mão direita incomodam, incluindo o braço que ficou pesado, e só consigo gatimonhas...

Passados 10 dias, a mão parou de drenar e a inflamação não cedeu. Tive que enfrentar uma lancetagem à sangue frio, já que a anestesia não funciona nestes casos. Urrando no Pronto Socorro, as mãos da minha filha foram meu consolo. Apertava-as do fundo da alma, para tapear a dor ensurdecedora e opressora. Prestes a desmaiar, descobrimos então que um dos tendões fora afetado.

Espremida feito um limão foi feita uma raspagem na área afetada.  Às lágrimas eu confessei que pressentia que dali nasceria um “alien” e que não seria de parto normal... nem sei como pude brincar numa situação destas!

Passados 15 dias, num melhora e não melhora, de volta à Sampa lá vai uma benzectacil na bunda, para a coleção da temporada. E mais um prazo de 3 dias, caso não sarasse, seria internada para antibióticos na veia!

Todos os “furos” das unhadas (uns seis pelo menos) cicatrizaram, mas aquela unhada especialmente foi a grande vilã. Meu dermatologista me lascou um Duotril no braço que ainda vai agir por mais 15 dias e mais massagens com uma pomada que completa a conta na farmácia. Já melhorou muito, mas longe de ter sarado.

Hoje completaram 26 dias de convivência com esta inflamação. E na bagagem de volta pra casa, uma sacola de medicamentos! Já voltei ao trabalho, mas ainda lido com a área afetada que permanece num lindo tom lilás e meus movimentos com o dedo médio, principalmente, estão prejudicados. Amanhã tenho nova consulta.

Ah! E a Tina como vai? Sua unha não dói mais, mas continua fora de lugar. Nossa relação não foi abalada, verdade! Ela dormiu em meu colo todos os dias, e a sensação é de que só vou sarar quando ela sarar... coisa de gato e gateiro... 

Bem vindo 2011!
Tadinha da minha vó... lasquei-lhe as unhas!

Mas olha como sou boazinha!
Sou a Tina Titota uma gata valente!

2 comentários:

Rita disse...

Ai Ada, essa foi mesmo de doer, só quem já passou por isso é que sabe!
Uma vez eu inventei de dar banho no meu gato Léo, igualzinho a Tina, só que pesava 11kg, durante o banho ele chorou o tempo todo, mas deixou, só que na hora em que liguei o secador, o pobre levou um susto tão grande, bem pra encurtar ele rasgou literalmente a minha mão com as unhas da pata traseira. E claro, passei tudo isso que vc passou, tenho até hoje a cicatriz!
Dói, dói muuuuito, eu sei! rsrsrs... Breve recuperação amiga! Ossos do ofício! Fazer o que!? Beijão.

Anônimo disse...

Quanto amor e dor! hein? Apesar de já irmos para o fim de janeiro, vale ainda te dizer Feliz 2011, camarada! Saúde e juízo à Tina... Zé