“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

05/09/2011

A Lua me diz boa noite





Numa lasca em riso,
escorregou pelo céu
encheu a sala de luz branca,
acenou e continuou descendo,
sempre sorrindo, seguiu despencando
até sumir por trás das casas.
Lasca de Lua fria,
todos os dias passa por aqui,
no seu eterno retornar à mesma hora,
passa por minha janela como açoite
e simpática me diz, boa noite!

(Ada, 5/9/11)
#coisasdeada


Um comentário:

Regina Abrahão disse...

Quase vi a lua de tua janela.
Maravilhoso!