“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

17/03/2012

Sábado sem personalidade

O sábado está sem personalidade alguma.
Ele não sabe se chove, se seca, se venta.
Não sabe se esfria, se aceita o sol.
Completamente sem cor, sem temperatura.
Expulsou os passarinhos com sua aridez.
Sem cheiro, sem beira, nem eira...
Sem estrela será, sem lua, sem graça, sem tez.
Parece segunda!
E a gente fica insegura se quer sair ou dormir.
Estou igual, sem opinião.
Infecunda!

(Ada, 17/3/12)

Nenhum comentário: