“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

15/08/2012

A vida é engraçada

A vida é engraçada.
Traz dentro de si a morte.
Desde o momento em que nasce,
explode em cores e movimentos breves, 
e vai roubando-se a sí, e aos poucos,
os sorrisos e os amores.
No lugar do sol, dia a dia, a escuridão.
Cores e flores, uma a uma, despedaça e vinga.
No lugar da lua, noite a noite, a solidão.
Por todos os séculos segue
deixando cansaços, dores, tristezas.
Tudo ao contrário do que ela pregou.
A vida é engraçada.
Deixa mágoas, fere.
Deixa nascer a beleza, 
e vai substituindo por destruição.
No lugar da luz roubada de si, a vida
sem dó nem piedade, semeia sujidade
abandona-se à própria sorte.
Quando nada mais há para roubar,
Soçobra em lágrimas e segue 
a critério da morte.
A vida é engraçada.
Dentro dela o seu contrário,
assim que vive, morre.


(Ada 15/8/2012)

Nenhum comentário: