“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

21/12/2012

Cecília Meirelles: E inicia-se um novo ano...

Fui mirar-me num espelho
e era meia-noite em ponto.
Caiu-me o cristal das mãos
como as lembranças no sono
Partiu-se meu rosto em chispas
como as estrelas num poço
Partiu-se meu rosto em cismas,
─ que era meia-noite em ponto.

Dizei-me se é morte certa,
que me deito e me componho
fecho os olhos, cruzo os dedos
sobre o coração tão louco
E digo às nuvens dos anjos:
“Ide-vos pelo céu todo,
avisai a quem me amava
que aqui docemente morro”

Cecília Meireles
Mar Absoluto, Retrato Natural

Nenhum comentário: