“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

20/04/2014

Remendando o amor - Edna Lotufo Martins


[Pensando em minha filha]

Remendando o amor

Se um dia você notar
Que o tênue tecido do seu amor
Está querendo esgarçar,
Não tente com palavras, costurar
Seu pobre amor desfiado.
Procure antes com jeitinho e cuidado
Serzir com pontos invisíveis
Os fracos pontos visíveis
Do seu amor agastado.
Não queira emendas colocar,
Lutando para reforçar
O seu amor acabado.
Por ser tão fino o tecido
Basta um simples fio desmanchado,
Para começar toda a trama
Desse amor fracassado.
Por melhor que fique a reforma
Por mais que pareça perfeito,
Haverá sempre um defeito
Em seu amor remendado.

Edna Lotufo Martins
In “Poemas de amor sem paz”

Tres Marias SP (1964)

Nenhum comentário: