“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

25/08/2014

Túnel do tempo com Jards Macalé


Nem consigo lembrar cenas, 
cheiros e rostos, 
                         [do meu]
Apenas reviravolta no estômago e
um suspiro fundo, lento.

Bateu nostalgia.
Sentimentos perdidos no tempo
angustias da juventude
amor puro, pura poesia.

A vida, movimento dos barcos,
barcos em movimento...

Lá vou eu pro túnel do tempo com Macalé... até 1974.

(Ada 25/8/14)



Movimento Dos Barcos
Jards Macalé

Tô cansado
E você também
Vou sair sem abrir a porta
E não voltar nunca mais

Desculpe a paz que eu lhe roubei
E o futuro esperado que eu não dei
É impossível levar um barco sem temporais
E suportar a vida como um momento além do cais

Que passa ao largo
Do nosso corpo
Não quero ficar dando adeus
Às coisas passando, eu quero
É passar com elas, eu quero
E não deixar nada mais do que as cinzas de um cigarro
E a marca de um abraço no seu corpo

Não, não sou eu quem vai ficar no porto chorando, não
Lamentando o eterno movimento
Movimento dos barcos, movimento.

Nenhum comentário: