“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

29/09/2015

Lua sem rima



Tem lua que é séria
Acometida por eclipse.
Aumenta, diminui, cresce ou míngua

Uma vez por ano lhe afeta o perigeu
Tem lua que tá com a bola toda
Que sorri
Tem lua que é só lasquinha
coitadinha
Tem lua que desaparece um tempo
a gente pensa que caiu
Há a que cega e inspira
Faz nascer poetas, cantores
e amores 
Tem lua que é brincadeira
Um simples desenho infantil

(Ada 29/9/15)

Nenhum comentário: