“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

16/02/2016

Minha sombra andou com pernas de pau

Foto no Sesc Bertioga, janeiro 2015



Minha sombra andou enfim,
com longas pernas de pau.
Esses trapezistas eu sempre admirei.
Gostaria de imitá-los um dia
mas o medo nunca deixou
Nessa foto percebi
que voltava à minha infância
e nem que fosse com a minha sombra,
realizava um desejo de criança...

(Ada, 16/2/16)


Um comentário:

Anônimo disse...

Own..adoro os poemas dessa moça!