“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

06/10/2016

O fascismo rói

Tenho bebido um pouco. 
É que as vezes 
                     [tem sido muito mais que vezes]
a gente não aguenta o tranco. 
Quando as civilizações se identificam 
com a barbárie, com o ódio, 
fica difícil não ser contaminado. 
O poeta sonhador sucumbe. 
Fica buscando amor, 
mas sua inspiração é na dor. 
E como rói o fascismo!

Ada, 6/10/16

Nenhum comentário: