“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

20/12/2007

Meu gato amarelo

Meu gato amarelo completou 6 meses e tem o formato da "pantera cor de rosa", comprido, magro, rabo que arrasta pelo chão. Também lembra as peraltices dela. Morde todos os companheiros pelo pescoço, num golpe de judô. Quando ele aparece cospindo pêlos, já se sabe que algum deles perdeu um tufo, aqui e acolá. Ele adquiriu a fama de briguento. Acho até que ele tem ascendentes do velho oeste: pára, concentra-se, abaixa as orelhas, espreme os olhos verdes e aponta uma arma invisível para o outro gato. Sempre com a pata direita em riste. Se o "inimigo" não correr, vai levar uns tapas. Meu gato amarelo é muito divertido. E vai ficar um gatão!

Um comentário:

Anônimo disse...

Oi!
Tudo bem ?
Seu gato amarelo me fez lembrar de um gato que eu tive por breves meses. O Tao era todo amarelinho, apareceu no quintal de casa, miava com fome, cabia na palma da minha mão, era bem pequenino.
Cuidei dele, me seguia por todo o quintal , parecia que tinha instinto de cão , falamos até que ele era filho da Lili, minha cachorra que era toda amarelinha .
Um dia ele sumiu ... Tenho vizinhos que não gostam de gatos, e fizeram um extermínio geral, depois disso não apareceram mais gatos. Mas tenho boas lembranças dele, o Tao.
Saúde para vc e seu gato amarelo .
Bjs! Marta Fuchs