“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

29/10/2009

Paixão e erotismo na hora de cozinhar

Remexendo minhas receitas, encontrei um recorte de jornal datado sexta-feira, 4 de março de 1994. Há quinze anos estreava o filme "Como água para chocolate" (do mexicano Alfonso Arau). Baseado em romance do mesmo nome de Laura Esquivel, conta a história de um camponês chamado Pedro que, em 1910, em plena Revolução Mexicana, se apaixona por Titi. O erotismo e a sedução no cozinhar é o enredo do filme. Titi se esmera na cozinha criando pratos maravilhosos para sublimar a frustração de não poder fazer amor com Pedro. Os dois se amam, mas não podem se casar porque existe uma tradição no México de que a primogênita deve cuidar da mãe viúva. Marco se casa com a irmã e Titi extravasa toda sua paixão na cozinha. No casamento faz um bolo que todos, enquanto comem, choram copiosamente de tristeza. E depois, faz amor com Pedro através do prato Codornas com pétalas de rosa, é puro prazer para os comensais, despertando desejos incontidos, sensualidade e erotismo. E, claro, a paixão entre os dois.
Aqui vai a receita deste prato. Mas atenção, além dos ingredientes exóticos e e jeito delicado de fazer, há que se colocar grandes sentimentos de paixão e concentrar-se na pessoa amada enquanto se prepara. Isso faz parte do feitiço que deverá culminar com um tesão fulminante na hora da degustação. Tudo o mais é com você!

Codornas com pétalas de rosa
(Este es un placer de los deuses!!!)


Ingredientes:
12 rosas, de preferência vermelhas
12 castanhas
2 colheres de sopa de fécula de milho
2 gostas de essência de rosas
2 colheres de sopa de anis
2 colheres de sopa de mel
2 cabeças de alho
6 codornas
1 flor de cacto
manteiga
pimenta e sal


Preparo:
Desprenda com cuidado as pétalas das rosas - caso você se machuque, interrompa o trabalho, pois o sangue poder prejudicar o sabor do prato.
Depois de depenadas e esvaziadas as codornas, recolha suas patas, amarrando-as para que conservem posição graciosa antes de colocá-las para dourar na manteiga, salpicadas de pimenta e sal a gosto. É importante depenar as codornas a seco, pois água fervente altera o sabor da carne. Uma vez desfolhadas, as pétalas devem ser moídas num pilão junto com o anis. Em separado as castanhas devem ficar dourando numa vasilha de barro ou de ferro e, depois de descascadas, cozidas em água para se fazer um purê. Os alhos devem ser picados em pedacinhos e dourados em manteiga. Acrescentar então o purê de castanhas, o mel, a flor de cacto, as pétalas de rosa e sal a gosto. Para que o molho fique mas espesso, pode-se adicionar duas colheres pequenas de fécula de milho. Passe tudo numa peneira e acrescente duas gotas de essência de rosas - mais do que isso pode tornar o cheiro e o sabor fortes demais. Quando estiver no ponto, retirar do fogo. Mergulhe as codornas nesse molho por apenas dez minutos, para que fiquem impregnadas do sabor. Desamarre as patas e ajeite as codornas na travessa.
(Extraído do livro "Como água para chocolate, de Laura Esquivel. Editora Martins Fontes).
Para completar não poderá faltar um vinho tinto encorpado, que é a melhor opção para acompanhar as caças...


Um comentário:

Pupi disse...

caramba, eu absolutamente amo esse filme. Já o vi mais de 5 vezes e se falassem agora, Carla vamo aí ver "Como água para chocolate", digo na hora: demorô. A receita eu sempre quis e tinha preguiça de procurar. Valeu Ada! Teu post resolveu um dos grandes mistérios da minha vida!