“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

23/01/2010

Como pode um peixe vivo, viver fora d´água fria

O título dessa obra tem tudo a ver com peixes e noticias...
"Oscar Rabin, Natureza Morta com Peixe e Pravda"



















No rádio, o locutor anuncia abismado 
"encontraram até peixe no túnel alagado"

Pobre peixe 
pior que isso, conclui ainda que algum gaiato,
jogou o peixe por gozação 
Que confusão, que miscelânia,
Tudo anda na contramão.

As chuvas não têm onde escoar
e nem num peixe vivo
consegue-se acreditar
Cortaram todas as árvores 
meteram cimento na terra 
os rios sufocam debaixo do asfalto 
                                        [nunca o vimos
nem seu nome sabemos
o lixo apodrece sob nosso pé incauto

São Paulo querida,
não tens culpa de ser caótica cidade 
Não cuidam de ti a natureza é morta 
e não é numa tela de Paul Cézanne...

(Ada,23/1/10)

Nenhum comentário: