“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

18/04/2010

Difícil conter o desejo

Erro só se comete 
quando é possível acertar
Quando o que se faz 
daria para não ser feito

Como deixar de viver 
o que tem que ser vivido
o que arrasta a gente 
porque insabido?

Como tapar os ouvidos 
para aquilo que o desejo 
vai contando aos poucos?

Como fechar os olhos 
para o que o instinto
vai mostrando sem mostrar?
Como vencer  a torrente poderosa que leva para o desconhecido?

Como vencer 
a torrente poderosa
que leva para o desconhecido?

Sempre procurado, 
sempre entremostrado,
anônimo ou com pseudônimo?

(Ada, 18/4/2010)

Inspirado no romance Immaculada, de Ivone Benedetti


2 comentários:

Elenara Stein Leitão disse...

Que lindo !!!! Adorei. Beijos

Ada disse...

Que delícia receber comentário! Beijos