“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

18/06/2010

Morreu Saramago!?

Assim mesmo: morreu Saramago!? com exclamação e interrogação. Os dois caracteres que anunciam a surpresa triste de que vai parar de escrever, e a certeza feliz de que está vivo em tudo o que escreveu. Imagina! Morreu seu corpo, mas seu talento, ideias, escritos e exemplos estarão sempre vivos. Redundância para pessoas assim especiais, artistas e visionárias. Elas todas são imprescindíveis. Que surjam centenas de saramagos pelaí. Ateus e comunistas! E ele disse muito sabiamente sua condição de ateu, na qual eu me fio e comungo.

"O meu ateísmo facilitou, e muito, na criação do meu livro Evangelho segundo Jesus Cristo. Se fosse católico, teria que aceitar as versões bíblicas, sem me opor a nada. Como ateu, leio os Evangelhos de um ponto de vista mais livre, como se fosse um grande livro de história. O meu ateísmo não é destrutivo, mas sim crítico. Sou ateu, mas não sou tolo! A sociedade onde cresci e onde vivemos não se concebe sem Deus. Na arte, na linguagem, na cultura popular e erudita a religião cristã está presente. Eu não creio em Deus. Mas se uma pessoa que está ao pé de mim acredita em Deus, então Deus existe para mim através da realidade que é essa pessoa."  (Jose Saramago)



Um comentário:

Elenara Stein Leitão disse...

Interessante. Eu li apenas um livro de Saramago. E senti sua morte como se fosse sua voraz leitora. Hoje fui começar a ler seu Evangelho e eu, que acredito em Deus, não me choco que Cristo possa ser humano porque para mim somos todos iluminados, todos seres que compartilham a humanidade. Não gosto de rótulos e nem de pré-conceitos. E admiro a inteligência e sensibilidade. E Saramago tinha tudo isso. E fez diferença no mundo. E a ele rendo minha homenagem e admiração.
Beijos