“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

19/08/2010

Peculiar

A vida é mesmo surpreendente. Se você olhar uma floresta imensa, vai observar milhares de árvores condensadas num verde absoluto. Amiúda o seu olhar e vai reparar em várias qualidades de árvores em tons diferentes de verde. Em cada árvore no seu tom, sua folha com nervura e ondulação singular. E cada folha abriga uma gota de orvalho que brilha sua seiva e alimenta seu inseto peculiar. E cada molécula de seiva e verde representa aquela vida imensa que explode em nuvens, em planetas, em universo. O universo todo neste momento, está contido numa caixa de papelão que abriga cinco gatinhos recém nascidos grudados numa teta cheia de leite. Uma mão humana, movida a ideal, pode fazer prevalecer a vida. O viver é mesmo surpreendente, se você puder ver, se puder preservar. A vida é mesmo surpreendente, muito peculiar... ainda mais depois de tomar um vinho numa taça de vidro.

Um comentário:

Andre Luis Aquino disse...

Daqui onde estou sentado estou olhando para uma árvore, pra mim estado de vida mais perfeito e sem comparação. Ela nasce de uma pequena semente, germina, cresce fincando na terra suas raízes e frondosa ocupa seu espaço no planeta.Vai passar a vida toda no mesmo lugar, mas não parece, tenho a impressão que as árvores se comunicam entre si como se tivesse uma internet vegetal e assim elas conseguem estar em todo lugar sem sair de onde estão.