“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

17/10/2010

Flora Figueiredo: O trem que traz a noite

Hoje, 17/10/2010,  o dia está mais longo em uma hora. Começou o horário de verão.

O trem que traz a noite
( Flora Figueiredo)


O que faz essa tarde luminosa
descartar o lírio,
aborrecer a rosa?

É que o trem que traz a noite
está atrasado.
A tarde quer encontrar seu namorado
e não tem quem deixar em seu lugar.

Se o trem que traz a noite
não chegar,
há de haver bastante alteração:

O dia vai ficar bem mais comprido
e acabar pisando no vestido
da manhã de amanhã
que aguarda a vez.

Quando o trem que traz a noite
vir o que fez,
vai tratar de acertar a sua hora,
pois um trem que se preza
não demora
no vai-e-vem que vem e vai
de lá pra cá.

Ninguém segura a paixão abrasadora
entre uma tarde luminosa e um sabiá.

Conheça Flora, poetiza paulista : http://www.florafigueiredo.com/

Música para este poema é de Alexandre Guerra: Movimento de Primavera

3 comentários:

Ana Maria Quintal disse...

Ada, minha querida
Gostei muito do novo visual do blog, ficou bem simpático, só que menina... o dia hoje ficou mais curto em uma hora, né. Bjs
Ana Quintal

Ada disse...

Caramba, é mesmo! O dia ficou mais curto. Eu nunca consegui me encontrar no horário de verão... quando eu chego, eu já fui há uma hora!

Ada disse...

Ana, acho que sei porque disse que o dia fica mais longo..é que demora a escurecer!! kakaka