“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

08/11/2010

Cris Cervo: Esquinas

Esquinas
(Cris Cervo)

Esquinas
Tenho muitas

dentro do coração
Em cada uma delas
Cruza um sonho
Um desejo
Uma paixão


Há quem cruzou
O sinal fechado
Na esquina da ilusão
Entrando sem cuidado
E sem habilitação


Há quem cruzou minhas esquinas
Entrando na contramão
Bagunçando todo o trânsito
Dentro do meu coração


Há quem cruzou
Minhas esquinas
Em alta velocidade
Passando tão depressa
E não deixando
Nem mesmo saudade


Há quem bem devagarinho 
Pelas minhas esquinas caminhou
Trouxe tão pouco de onde veio
E ao partir, muito deixou


Há quem nas minhas esquinas
Foi chegando de mansinho
Querendo não ser percebido
Com a sutileza de um anjo
E a astúcia de um bandido


Trocou placas
montou acampamento
Modificou minha rotina
Alterando o cruzamento
Da minha principal esquina

Nenhum comentário: