“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

01/01/2011

Fazendo feliz os amigos


Remexendo nas lembranças, encontrei uma carta muito simpática que recebi em 2006. Tinha esquecido, novamente, é que a memória parece viajar em círculos, do amigo que poderia ter tido na infância e que agora tornou-se virtual. Este meu amigo, tão distante no tempo, na memória, tão distante  dos olhos e do meu dia a dia, enfim,  amigo desapercebido, desconhecido, reencontrado e perdido pela corrida da vida. Talvez seja um amigo muito especial, com afinidades, talvez, nem sei qual música ele ouve, ou gosta, se lê poesia e se pensa como eu, se está feliz e saudável. Mas ele existe e está nalgum lugar dessa cidade e, quem sabe, lendo este recado. Este amigo é Carlos Wagner M. Dias e quero agradece-lo por essa cartinha que ele me escreveu em 2006 e que reli hoje. Quero dizer-lhe que foi você quem me fez feliz! Obrigada. (Ada, dez/2010).


A carta


“Com paciência se chega lá. Não existe nada impossível. Absolutamente nada.
Tenho até uma história de sucesso pra compartilhar com vocês. Lá pelos idos de 1970, eu com 15 anos, frequentando o IEECC (Colégio Conselheiro Crispiniano) invariavelmente me encontrava com uma garota que era uma graça. Até o nome dela era bonito. Ela nunca, nunca mesmo  sequer me olhava, mas eu sempre a via e pensava que seria muito legal ter amizade com ela. Se o interesse era outro eu realmente não me lembro, só lembro da alegria que ela irradiava e de como seus amigos eram felizes ao lado dela. E assim foi durante muito tempo, até que a vida me separou dela, do IEECC, e de tantas outras pessoas que gostei e admirei ao longo de minha vida. Muito bem, hoje, 36 anos após aquele memorável ano, eu a encontro aqui. Ela já não é mais uma garota, mas continua uma graça, com o nome lindo, irradiando alegria e ainda fazendo feliz os seus amigos. A diferença é que agora eu sou um deles (nada é impossível). Feliz  natal a todos os membros desta comunidade fantástica (no orkut) e principalmente a você, agora minha amiga, Eliana Ada.” (Carlos Wagner, Dez 2006).

Um comentário:

Elaine Guimarães disse...

Que legal essa carta. amigo. Eu também recebi um cartão de aniversário de 2010 da minha querida amiga Ada que guardo com carinhoe que também me fez muito feliz: ... "Na minha caminhada fui te encontrando. Por vezes nos cruzamos, de longe nos olhamos, mas quis o destino que nos achegássemos cada vez mais, sem interesses ou intenção fomos ficando mais perto e mais amigas. Quero eu que esse mesmo destino nunca nos separe..."
Eu também agradeço sua amizade Lih (como a chamo, carinhosamente e ela me chama de Lan.