“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

18/03/2011

Pimpoo: emocionante historia do cão perdido e reencontrado


Cara de felicidade no reencontro: Pimpoo e Dona Nair

5 comentários:

Mayra disse...

Aposto que chorou até.... Eu me debulhei!!!!! rsrsrs...
Bj, mãe!

Anônimo disse...

Querida Eliana

Tudo bem???
Que bom ver que o seu amor pelos animais é eterno, eles certamente merecem toda a nossa atenção e respeito. Seu interesse revela um traço maravilhoso do seu carater que jamais me esqueci, o de ser solidaria e carinhosa com o sofrimento e os infortunios dos bichinhos!!!

Saudades da amiga de sempre Lenir

Anônimo disse...

Oi Eliana!, como vai, adorei a noticia de que encontraram o Pimpoo, cheguei às lagimas... Tenha um bom fim de semana. Bjs da amiga Jenny

Ada disse...

Oi amiga Lenir!
Que bom que escreveu pra mim!
Acabei de ver seu sorriso branco e seus olhos mareados de azul bem aqui na minha frente!
Saudades de você e do que fomos um dia.
Beijos

Ada disse...

Pois é meninas! Somos choronas mesmo, né? Mas que amizade linda é essa entre bichos e humanos?