“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

07/05/2011

Carta de Jenny Scavinsky: Acontecimentos de Guerra, “Galantine” e Ciganos


Oi Eliana, vou narrar alguns acontecimentos.

Durante a segunda guerra, as pessoas maltratavam os japoneses, os italianos, e esses eram muitos, e haviam também algumas famílias de alemães. Como eu tinha os cabelos muito claros era confundida com alemães e daí na saída da escola os moleques puxavam minhas tranças que meus pais mandaram cortar. Eles jogavam pedras, então meu pai me ensinou a jogar pedras nos safados, e assim ia me defendendo. Ouvíamos boatos de que chegaram até a matar japoneses que viviam nos seus sítios. A gente vivia amendrontado, porém mamãe fez amizade com a família do delegado e ele prestativo disse à mamãe se alguém nos ameaçasse era só avisá-lo e ele tomaria providências para nos defender. Como é bom ter amigos...

Me lembro que meu pai era um grande cozinheiro, inventava coisas, como “galantine”, que na realidade é gelatina feita a partir de três tipos de carne de gado, de porco e de bezerro bem novinho, com muito temperos. Deixava cozinhar até a carne se desprender dos ossos, depois passava tudo numa peneira fina, e ao lado deixava alguns pedaços para juntar no final aonde colocava numa grande travessa e regava com vinagre de vinho branco. Os adultos gostavam muito, eu não. Era preciso trocar um prato desse pela comida de Dona Cândida que era comida mineira, uma delícia. 

Outra lembrança: quando bem pequena e ouvia guizos, admirada corria no portão para ver e mamãe corria atrás de mim e me puxava para dentro e fechava à chave o grande portão. E dizia: “são leprosos”. E o que é isso? E ela respondia que era uma doença que não tinha cura.

De outra vez, foi o caso dos ciganos que quando chegavam à cidade, todo mundo trancava suas crianças, pois ciganos eram ladrões de crianças e a policia logo os botava para fora da cidade. Coitados, eu morria de pena deles, mas o que eu podia fazer tão pequenina e tão dependente? Nada.

Boa noite minha amiga.
Jenny

(23/3/2011) 

Nota:

Galantina ou também galantine é uma iguaria típica da culinária da França e também da culinária de Portugal. É confeccionada com diversos tipos de carnes desossadas, cobertas por uma camada de geleia. As carnes mais utilizadas são as de suíno, bovino, frango e faisão. É normalmente consumida fria, após ter sido escalfada.
Por vezes, as galantinas são também recheadas com uma mistura de carnes picadas, peixe, vegetais, frutas, pão ralado e especiarias. Esta mistura pode ser picada diversas vezes, até se obter uma pasta mole. Quando se utiliza esta mistura, a galantina é normalmente prensada, sendo a pasta introduzida numa forma cilíndrica.
"Galantine" de vegetais


Nenhum comentário: