“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

31/05/2011

Gato Iuri e seu bonequinho

Meu gatinho dourado: Iuri

2 comentários:

Elenara Stein Leitão disse...

Que fofo !!!!

Ada disse...

Elenara! Sou suspeita se falar, né? Mas ele é mesmo muito fofinho! Ariscote, na verdade! Se chegar em casa ele corre a se esconder e entra debaixo do edredon e pensa que está devidamente escondido de você! Obrigada!