“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

26/05/2011

Noite solitária, Lonely Night

Lonely Night,
ansiedade ri na boca do estômago
e a lua queima folhas verdes
na floresta vizinha ao meu umbigo
sopra um vento gelado
o silêncio absoluto
escorre lânguido
ao púbis
há mel que
penetra de corpo e alma
nessa noite solitária.

(Ada 26/5/2011)

Um comentário:

Beth Kasper disse...

Oi, Ada!
Adorei conhecer seu blog e também seu comentário no meu blog, que aliás, está em quarentena. Tenho postado no FOTOS & FOTOS (http://elizabeth-kasper.blogspot.com/). Sobre sua proposta de trocarmos gatinhos achei ótima a idéia. Só que no momento não tenho nenhum em duplicata para podermos fazer essas trocas.
Tentei seguir você no Facebook mas seu "painel" não está disponível. Lá seria um bom local para contactarmos mais seguidamente. Que tal?
Um abraço