“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

26/06/2011

Cris Cervo: Felicidade



Felicidade
Não sei onde você mora,
Mas vem logo sem demora
Habitar meu coração

Felicidade
Tu és tudo o que preciso,
Te quero junto comigo
Pra aliviar a solidão

Felicidade
Onde estás, que quando passo,
Te procuro e não te acho,
Onde você se escondeu

Felicidade
Se puder, vem logo agora,
Porque já estou indo embora,
E você não apareceu

Felicidade
Por onde você se esconde,
Que te chamo e não responde,
Mas eu não vou descansar

Felicidade
Pare com essa brincadeira,
Te procuro a vida inteira
E eu hei de te encontrar

Felicidade
Não me canso de chamar,
Um dia vai me escutar,
E quem sabe vem me ver

Felicidade
Neste dia te prometo,
Te tranco dentro do peito,
E nunca mais vou te perder 

(Cris Cervo)

Nenhum comentário: