“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

25/10/2011

Desconstruindo e construindo

Estou de mudança. O caos se estabelece quando se muda de casa. Não são só objetos em caixas de papelão, mas também corpo e cabeça empacotados. Desconstruir o construído. Construir o destruído. Refazer e fazer. Até tudo se acalmar, um rebuliço no estômago, um corpo dorido e seis gatos dormindo dentro de caixas. Esse vídeo "desconstrução" vem a calhar com esse meu momento. "Quem quer paz, tem que se preparar para a guerra."

 
Desconstrução from Cinema de Rua on Vimeo.

Um comentário:

Maria Elenice disse...

Belo vídeo. A desconstrução é isso mesmo, gera bagunça, depois vai para o caos e do caos nova reconstrução e, sempre é dorida Ainda bem que temos um pouco de Fenix embutida.