“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

13/10/2011

"A internet é o que a gente faz dela"

Pense em alguma crueldade bem cruel. Multiplique essa crueldade bem cruel por 10. Não chega nem aos pés do que eu vi hoje na TV. Uma Ong em Santos foi chamada para resgatar dois cãezinhos encontrados no Porto de Santos. Eram mãe e filho, pudolzinhos, quase mortos. Mostraram a foto, desmaiados quase sem vida. Eles foram amarrados num saco e pendurados pela lado de fora da janela de um trem de carga que veio de Goiás. A mãezinha estava com o pescoço travado pois ficou dias na mesma posição espremida com seu filho, dentro do saco. Eles foram resgatados e salvos, graças ao telefonema e à protetora da Ong. Fiquei impressionada com essa história, o dia todo essa notícia me remoeu. Nunca imaginaria uma crueldade com tanto requinte. Então, resolvi vir aqui desabafar. Me desculpem, por favor, por compartilhar essa barbaridade. Em contrapartida, achei esse vídeo - propaganda do google chrome - tão bom para recompensar-nos dessa tristeza..Tenho que concordar:  a internet (e o mundo) é o que a gente faz dela e dele...

Um comentário:

Cristina Ramalho disse...

Menina... Minha mãe me contou essa história, que horror!!! Mas eu não sabia que vieram de outro estado, meu Deus!!! Tadinhos... qta maldade... eu acredito que esses tipos de atitudes não fica impune, Deus é MAIOR... bjo