“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

19/12/2011

Na verdade, quem ri é o gato


é o Gato que ri, aniversário 2011
Se eu sorrio para disfarçar, 
se eu sorrio para esconder, 
se eu sorrio por sengracice, 
se eu sorrio por raiva, 
se eu sorrio para não chorar, 
se eu sorrio para me aproximar,
ou se eu sorrio com vontade de gritar, 
se eu sorrio porque gosto de sorrir, 
se eu sorrio porque sou só sorrisos, 
a verdade é que eu sempre sorrio com alegria. 
Talvez meu sorriso diga muito mais 
do que deveria dizer. 
Ou talvez não diga nada. 
Talvez seja uma mentira, 
apesar de que sorrir é a minha verdade. 
Sorrindo escondo minha tristeza. 
No fundo sou alegre, 
e eu amo sorrir para a vida. 
É que a vida não sorri muito para mim. 

(Ada 11 de julho de 2011)

Um comentário:

João Paulo Naves Fernandes disse...

Este domingo almocei uma carne e um talhatele à bolonhesa. A massa e o molho à bolonhesa são feitos na casa, e tem sabor único. Valeu a pena.