“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

18/01/2012

Chupar laranja e fazer arte

Minha mãe descascava laranjas para nós (meu irmão e eu) quando crianças, de uma forma que eu admirava pela técnica. Com a faca afiada, ela conseguia cortar em espiral sem quebrar nadica de nada da casca. A espiral parecia surgir como mágica. Depois, ela cortava uma "tampinha" da laranja (1/4 da laranja) por onde começávamos a comê-la. A parte mais gorda, tem que ser apertada e chupada até se extrair todo o suco. Depois, vira-se o bagaço pelo avesso e também é comestível. Tudo isso, com bastante barulho!

Depois, a casca virava brinquedo. O que eu gostava mesmo, era fazer "arte".  Achava legal desenhar letras, e imaginar bichos, caretas e outras formas muito agradáveis. Nunca aprendi a cortar a laranja dessa forma, era como se essa parte da arte fosse exclusiva da mãe. Já tentei, mas acabo quebrando a casca, ou ela não sai tão simétrica. Na verdade me dá preguiça...  acho mais prático cortá-la em quatro pedaços e descolar a casca.

Hoje, almocei na casa da mãe e num "momento-dengo" pedi que ela descascasse a laranja para mim. Ela estranhou, mas parece que ficou feliz com o pedido, coisa de mãe querer agradar filho, sabe?

Acho que nunca me esforcei em  aprender direito a sua técnica, exatamente esperando que esse momento se repetisse ao longo da vida. Minha mãe não é de abraçar e beijar a gente, é como minha avó, que também era assim, sem muitos afagos. Mas cada um tem seu jeito, né? Esse momento, por exemplo, parece beijo, parece abraço, é um carinho... Pôxa, fazia tempo que não chupava uma laranja tão gostosa, tão cheia de caldo! Só faltava brincar com a casca! (Ada, 18/1/2012)




















5 comentários:

Anônimo disse...

Prima confesso que me emocionei ao ler o texto que fala de uma lembrança de infância (acho q não é a primeira vez q isso acontece) fato corriqueiro tão bem guardado lá num cantinho... que coisa preciosa! Me encanta sua habilidade de relatar essas cenas q poderiam estar perdidas mas q estão tão presentes! Parabéns querida. Fico feliz, pq percebo q vcs estão mais próximas...aproveite bastante o colo de mãe! Muita LUZ para as duas. Sua prima Ligia.

Anônimo disse...

Nossa, tudo isso com a mesma casca?
Valeria..

Anônimo disse...

pegou a pontinha da casca e rodou falando as letras do alfabeto? Lia Leite.

Amanda Silva disse...

Muito legalll...adorei...huahauuah

Ada disse...

Coisa de doida né não?