“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

17/01/2012

Dona Nadir e a Catedral de Guarulhos

Mamãe Dona Nadir, no alto dos seus 80 anos (completa em março de 2012), ainda tem disposição para "bater perna" e topa passeios pelo centro da cidade, com muito gosto. Anda bem devagarinho, com medo de cair, que as pernas já estão cansadas, mas fica animada para entrar nas lojas, ver novidades e almoçar fora de casa. Nesse dia queria me levar no restaurante "Bom Prato" aquele por R$ 1,00 que fica ao lado da catedral (ver  http://dicastops.com/bom-prato-enderecos-restaurantes-1-real-sp/ ) mas a fila estava grandinha e desistimos.  Temos sido companheiras agora que estamos morando próximas. Mamãe ainda consegue tomar ônibus, e tal... e lembra minha avózinha que viveu 90 anos firme e forte. Será que chego lá? 


Foto de Ada
Foto de Ada
Ao fundo vê-se a Catedral de Guarulhos. A arquitetura no estilo barroco ainda pode ser identificada em meio à estrutura daquela que é considerada uma das primeiras igrejas do Brasil. Hoje denominada Catedral, a Paróquia Nossa Senhora da Conceição foi erguida como capela jesuíta, em meados de 1560. A única torre se impõe no cenário comercial da Rua Dom Pedro I.

De acordo com os pesquisadores Gasparino José Romão e João Ranali, autores do livro ‘Igreja Matriz de Guarulhos – Trezentos Anos’, a primeira capela foi construída em pau a pique e cipó e servia de núcleo ao aldeamento dos índios Guaianases. Já a segunda edificação, erguida em taipa de pilão, data de 1743, conforme registros do livro Tombo da Cúria Diocesana.  

Os índios encontrados pelos colonos europeus que primeiro transpuseram a serra de onde se avista o mar e se estabeleceram nos campos corridos pelo Tietê, são geralmente conhecidos pelo nome de Guaianases. A língua falada por eles não era o tupi-guarani.

José de Anchieta disse: "Os Mara mumis, ou Guarulhos (outros nomes dos Gaianazes) têm língua boa e fácil de aprender", e passou o encargo da catequização ao seu confrade Manoel Viegas que fortemente se empenhou na missão: "andava atrás deles pelos matos, capões e praias todo em seu remédio; mas como estes Maramumis não se aquietam em seu lugar, e seu viver é sempre pelos matos à caça, ao mel e às frutas, dificultava isto muito a esperança de sua conversão. Ele contudo a todos resistia… e assim aos poucos foi domesticando, e fêz fazer assento em um lugar e aldeia em que até hoje habitam todos juntos; é a aldeia a que chamam Nossa Senhora da Conceição". (Vida de João de Almeida, 74/76). A aldeia desapareceu; o nome de Guarulhos persiste e é bem conhecido. (ver mais historia em  http://www.consciencia.org/os-guaianases-de-piratininga-capistrano-de-abreu)


Bem, essa parte da história é vergonhosa, sabemos. Foi avassalador o trabalho do Pe. Anchieta e seus asseclas, que se emprenharam em dizimar os indios para que Portugal dominasse nossas terras...

No arquivo histórico diz que a localização da paróquia dava visão do Rio Tietê, por onde chegavam mercadorias e os frequentadores da capela eram brancos, pois existia na mesma rua a Igreja N. S. do Rosário dos Homens Pretos demolida entre 1928 e 1930.


A construção atual é bastante contemporânea. De seu esqueleto antigo, em 1960 foram criados os dois largos corredores conhecidos hoje. Já o altar sofreu muitas alterações e, até mesmo chegou a ser locomovido para frente, voltando ao seu local original posteriormente. Várias das mudanças ocorridas na igreja também foram ocasionadas pelo comprometimento da estrutura, que oferecia riscos.

Preocupado com a conservação do prédio, e com a preservação histórica, o pároco da igreja, padre Antonio Bosco da Silva, planejava contratar serviços de raspagem em algumas estruturas, para que seja descoberta sua estrutura original. “descobrimos se tratar de uma peça muito antiga a pia de água benta, esculpida em pedra”, disse ele numa entrevista certa vez.

Uma polêmica surge em torno da história da imagem da santa que dá nome à Catedral Nossa Senhora da Conceição. Determinados documentos e registros dão conta de que a estátua é tão antiga quanto a paróquia. Em contrapartida, outros escritos informam que a imagem foi trazida a Guarulhos somente no século passado, em 1923.

Apesar do reconhecimento de sua antiguidade e da preservação de imagens, além da algumas composições arquitetônicas, a Catedral não foi tombada como patrimônio histórico municipal e tampouco nas esferas estadual e nacional e o motivo se deve às várias modificações ocorridas com as reformas pelas quais a igreja passou desde sua criação. Entre as alterações está a pintura de peças esculpidas em pedra e a retirada de estatuetas e ornamentos.

Foto de Ada