“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

19/05/2012

Labirinto de falésias no Ceará











Fotos de Fabiana Bia Costa

Bia postou as fotos [facebook] de sua última viagem ao Ceará, nesse lugar chamado Morro Branco, e eu capturei na maior cara de pau. É que fiquei emocionada com essa paisagem. Uma paisagem extravagante e exótica costuma ser contundente para a memória. Aconteceu, quando me deparei com as dunas no litoral da Bahia, pela primeira vez. Deu vontade de chorar, os olhos sugaram o reflexo daquelas areias brancas e sua essência entrou na corrente sanguínea, indo explodir dentro do peito. E essas falésias me chamam... prometem causar a mesma emoção.

Falésia é uma forma geográfica litorânea caracterizada por um abrupto encontro do mar com a terra. Formam-se escarpas na vertical que terminam ao nível do mar e encontram-se permanentemente sob a ação erosiva do mar.

Do Amapá ao Rio de Janeiro, predominam as falésias avermelhadas, formadas a partir de terrenos de arenito.

No sul do país, são mais comuns as falésias escuras, talhadas em granito.

Além das encostas próximas ao mar, os geólogos também estudam paredões a até 2 quilômetros da costa, as chamadas falésias mortas. Elas fornecem pistas sobre a atividade oceânica e mostram onde o mar já esteve.

Apesar do visual incrível para o turismo e da importância para a ciência, ambientalistas brasileiros já acionaram o sinal vermelho para a devastação dessas formações, especialmente no Nordeste.

Em Alagoas, onde a vegetação no topo das encostas deu lugar a plantações de cana-de-açúcar, o solo sofre erosões com as queimadas e as falésias acabam caindo dentro do mar, sufocando corais próximos à costa.

E no Ceará chega até mesmo a correr esgoto a céu aberto do alto de alguns paredões para a praia, agravando a poluição e a ameaça de desmoronamento das encostas.

Nenhum comentário: