“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

04/06/2012

Flor de Maio: estou aqui de passagem


"Cá estamos!" Dizem elas, as flores-de-maio. Como todo ano, no mês de maio, o relógio desperta, e apenas em poucos tique-taques de dias, seus botões rebentam e explodem corderrosamente deslumbrantes, para quem quiser admirar. Parece que se pode ver a olho nú o movimento da florada: o botãozinho tenro engorda a ponta da folha achatada e solitária de um ano inteiro só de esperar. Surgem em bandos, como que do infinito, e se revelam belos cisnes de asas abertas. Ensaiando vôos, alçarão a dança da horas que lhes restam. Numa revoada fugaz, o bando de cisnes coloridos tinge auras de alegria para quem sabe ver. É preciso causar toda a emoção que puder, mesmo sem perfume [que nem é preciso] para em seguida, fugir do inverno que se avizinha ameaçador. Entram pelo junho seco e então, partem para as bandas de lá até o próximo outono... (Ada, 4/6/2012)



Esse vaso me acompanha há 30 anos aproximadamente.Foi uma mudinha vinda de Taubaté..

E também, já foi matriz e se espalhou pelos amigos. Elaine diz que a muda dela já está florindo..








Surgem em bandos, como que do infinito, e se revelam em belos cisnes de asas abertas. Ensaiando vôos, alçarão a dança da horas que lhe restam. Numa revoada fugaz o bando de cisnes coloridos tinge auras de alegria para quem sabe ver.
Surgem em bandos, como que do infinito, e se revelam em belos cisnes de asas abertas.
Ensaiando vôos, alçarão a dança da horas que lhe restam.
Numa revoada fugaz o bando de cisnes coloridos tinge auras de alegria para quem sabe ver. 

Nenhum comentário: