“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

03/08/2012

A Camarada e o Caipira - Cenas Urbanas

A Camarada e o Caipira - Cenas Urbanas

Este texto foi compartilhado (parceria com E. Ada G.) e feito quadra a quadra,trova à trova. Demorou muito para ficar pronto. As cenas urbanas narradas estão aí; estão à vista.
-Indignemos, pois!

(por A. C. Affonso dos Santos 13/7/2012)
................

ADA

Não é apenas um gato,
apenas um cão,
apenas uma baleia
que geme além das calçadas.

ACAS

Não é só um mendigo
Um infeliz coberto de mantos
Não é apenas um louco
Que sofre solitário, entre tantos

ADA

Há crianças no monturo
e uma fome faminta.
Uma árvore cai
além da floresta.

ACAS

Há homens e mulheres nas ruas
Nos becos; escondidos em casa
Um homem cai, outro sobrevive
Muito além da “Grande Árvore”

ADA

São tantos os gemidos...
O mundo tornou-se um lamento.

ACAS

As pálidas criaturas lembrando Picasso no quadro Guernica
São os Retirantes de Portinari, nas ruas e periferia de São Paulo



Camarada: este texto foi publicado no Recanto das Letras.

Nenhum comentário: