“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

12/11/2012

Caravela



Segue o teu caminho minha caravela
Vai por outros mares outras terras
Eu sou marinheiro e revirei o mundo
Pra descobrir o exílio no coração

Pelos sete mares enfrentei quimeras
Mas não sei domar as minhas feras
Fui sem oriente no rumo de outras Índias
Perdido nas neblinas da ilusão

Minha caravela aprendi a ver estrelas
Onde o céu andava escuro de paixão
Tive uma sereia que me alucinava
Que me amava e socorria nas batalhas contra o vento

Via a lua branca refletida n'água
Naveguei por tantas Nicaráguas
Embarquei num sonho perdi minha fragata
Fiquei a ver navios na imensidão

Caravela
Olivia Byington

Nenhum comentário: