“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

09/11/2012

Me joguem em cinzas naquele mar


Em algum momento, 
minha alma se impregnou 
da prata daquele mar 
e minha viagem para lá 
ocorre às vezes em sonhos
de quando eu morrer, 
ser jogada em cinzas, ali 
bem no meio da baía cinza,
misturada a lodo e histórias do seu povo. 
Ficarei ali, 
perdida na saudade 
de ter vivido um dia.

(Ada, 9/11/2012)

2 comentários:

Vivi Martins disse...

Lindo, Ada!!

Elenara Leitão disse...

Muito lindo!