“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

03/04/2013

Amor embalado no freezer

Foto: Bento Arruda


















Outono chegou. 
A estação me faz introspectar. 
Gosto do outono. 
Junto com as folhas que cobrem o chão, 
abro as cobertas sobre meu corpo frio 
e vou caindo em mim, 
e sobre as peças que a vida vai pregando, 
algumas sem nexo, 
outras cheias de razão. 
Resta um tronco pelado, 
em pé, 
galhos em riste e cheios de seiva endurecida 
pelo inverno anunciado. 
Raízes enterradas em cimento trincado. 
Um coração barulhento 
sussurra no ouvido 
                            [uma toada forte] 
que é preciso esperar...
esperar...
esperar. 
Não sei se haverá esse tempo 
de esperar que meu amor desacelere 
dentro de mim. 
Amor deteriora pelo tempo? 
Vou colocá-lo 
               [o tempo e o amor] 
embalado no freezer, 
como se faz com o alimento que não vamos consumir. 
Vou guardá-lo num saco de supermercado, 
ecológico, 
que se diz auto-desmanchável, 
ou enrolado em papel alumínio, 
à vácuo. Protegido? 
O prazo de validade deste amor 
não vem estampado em lugar algum, 
será preciso esperar... 
esperar... 
esperar. 
Um teste de quanto dura, 
e de quanto é duro entender outros corações. 
O meu, anda estranhado, 
cantando canções em grego. 

(Ada, 3/4/2013)




* Andreas Grega é um cantor sueco, compositor e vocalista na banda Kungers. Grega estreou como artista solo no Outono de 2009, em janeiro 2010 lançou o álbum "Uma coisa de cada vez." Compôs um rapp que se tornou o mais popular do disco, um hip hop sueco.

Nenhum comentário: