“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

29/04/2013

Helena Kolody, poetiza da minha terrinha


Seus pais foram imigrantes ucranianos que se conheceram no Brasil. Helena nasceu em Cruz Machado (PR) em 12 de outubro de 1912 e passou a infância na cidade de Rio Negro (PR) onde fez o curso primário. Estudou piano, pintura e, aos doze anos, fez seus primeiros versos.

Seu primeiro poema publicado foi A Lágrima, aos 16 anos de idade:

lágrima 

Óh! lágrima cristalina 
Tão salgada e pequenina 
Quanta dor tu redimes 
Mesmo feita de amarguras 
Ès tãu sublime tão pura 
Que só virtudes exprimes. 

Aos 20 anos, Helena iniciou a carreira de professora do Ensino Médio e inspetora de escola pública. Lecionou no Instituto de Educação de Curitiba por 23 anos. Helena Kolody, segundo o que consta em seu livro Viagem no Espelho, foi professora da Escola de Professores da cidade de Jacarezinho, onde lecionou por vários anos.

Seu primeiro livro, publicado em 1941, foi Paisagem Interior, dedicado a seu pai, Miguel Kolody, que faleceu dois meses antes da publicação. Já nesta obra de estréia constavam três haikais, algo raro à época: 



arco-íris no céu
está sorrindo o menino
que há pouco chorou

***
puseste a gaiola
suspensa dum ramo em flor
num dia de sol

***
os olhos do amado
esqueceram-se nos teus
perdidos em sonho


Helena se tornou uma das poetisas mais importantes do Paraná, e praticava principalmente o haicai, que é uma forma poética de origem japonesa, cuja característica é a concisão, ou seja, a arte de dizer o máximo com o mínimo. Foi a primeira mulher a publicar haicais no Brasil, em 1941. Estava presente em seu projeto poético esta busca, como disse mais tarde, "da síntese para traduzir o pensamento".

Morreu em Curitiba, em 15 de fevereiro de 2004, com 92 anos de idade!

Obras

Paisagem Interior (1941)
Música Submersa (1945)
A Sombra no Rio (1951)
Poesias Completas (1962)
Vida Breve (1965)
Era Espacial e Trilha Sonora (1966)
Antologia Poética (1967)
Tempo (1970)
Correnteza (1977)
Infinito Presente (1980)
Poesias Escolhidas (1983)
Sempre Palavra (1985)
Poesia Mínima (1986)
Viagem no Espelho (1988)
Ontem, Agora (1991)
Reika (1993)
Sempre Poesia (1994) - antologia poética
Caixinha de Música (1996)
Luz Infinita (1997)
Sinfonia da Vida (1997) - antologia poética com depoimentos da poetisa
Helena Kolody por Helena Kolody (1997) CD gravado para a coleção Poesia Falada
Poemas do Amor Impossível (2002) - antologia poética
Memórias de Nhá Mariquinha (2002) - obra em prosa

Nenhum comentário: