“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

12/06/2013

Por enquanto, os maus estão vencendo

Os sentimentos querem 
sair por ai, ao léo, 
procurando seus iguais. 
Acham que se encontrarão 
nalguma esquina da cidade caótica 
e sem espaço para eles. 
Pensam que podem sorrir sempre. 
Vão gladiar com seus opostos, 
confusos que estão 
se são bons, ou maus. 
Aconselho-os a ficarem aqui, 
por dentro do peito, 
soluçante, é certo, 
mas o lugar ideal de pouso.
Escondidos, não quebram a cara. 
Na luta dos contrários, 
por enquanto,
os maus estão vencendo... 
ferindo... Mas, 
como diz um ditado sabiamente repetido 
“não há mal que sempre dure, 
[nem bem que nunca se acabe.]” 

(Ada, 12/6/13)

Nenhum comentário: