“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

24/04/2014

Bem, eu te perdi

Foto Renato Silvestre, Paranapiacaba (2004)

Bem, eu te perdi



Bem, te perdi; e te perdi justamente;
Da minha própria maneira, e com meu pleno consentir.
Diga o que quiseres, reis condenados raramente
Foram para suas mortes mais orgulhosos do que este esteve a ir.
Algumas noites de apreensão e quente chorar
Confessarei, mas isso é permitido a mim;
O dia secou os meus olhos, não fui feita para ser aprisionada
Enfurnada em uma gaiola, uma asa que seria livre.
Se te amado menos tivesse, ou enganado-te furtivamente
Por um verão a mais poderia ter te prendido,
Mas ao custo de palavras que me são muitos queridas,
E nenhum verão tal como o antes vivido.
Se eu sobreviver a esta angústia – e os homens sobrevivem-
Terei apenas o bem para falar de você.

Edna St. Vincent Millay
(22.02.1892 – 19.10.1950) foi uma poetisa lírica e dramaturga americana, vencedora do Prémio Pulitzer na categoria Poesia. 


Nenhum comentário: