“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

28/06/2014

A cigarra verde

Sempre ouço o som de uma cigarra 
que emana de suas costas.
Ela chora, chora, 
esfregando os olhos.
Como as cores das miosótis,
do verão passado, desbotando
nas pontas dos meus dedos,
a cigarra continua chorando.
Também estou chorando
esfregando as minhas asas.
Em busca de sua companheira
a cigarra, por alguns dias,
chora em sua plenitude
como se quebrasse o verão em pedaços.
Pergunto-me se eu poderia fazer o mesmo.
Viver tão apaixonadamente
como uma cigarra.

Poesia extraída do filme do sul coreano Lee Chang-Dong, "Poetry".



Nenhum comentário: