“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

13/08/2014

Dia pasmo


O dia está pasmo, engasgado
Porque alvacento de pó
Não pode o verde enxergar.
Tudo é luz difusa
de um sol escaldante, sufocante.
Pasmaceira desse dia
Branco, pálido
Que com secura o verde cindiu.
Desse dia ardido, perdido
Num tempo difícil,
Dentre todos os difíceis,
Cada qual a seu tempo.
Gota de suor sequer molha a terra,
Sequer lágrima umedece o chão
Ressequido, dorido.
Generosidade anda escassa,
Parece que há tão pouco pão...
Anda triste esse dia pasmo,
Tácito, sofrido.
E a vida segue dando um jeito de viver,
Como um coração que não cessa de bater.


(Ada, 13/8/2014)

Nenhum comentário: