“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

03/01/2017

Mônica Raouf El Bayeh: Reviravolta

Reviravolta

Rasgarei velhas peles
Crenças, vivências e orgulhos
No silêncio de novas águas
Sem alarde e sem barulho

De mim, escolherei afetos
Deles guardarei com gosto
Os mais vivos e lindos retalhos
Serão brilho no olhar do meu rosto

Depois da faxina feita
Da casa enfim arrumada
Deitarei bem feliz nessa rede
E não pensarei em mais nada

Tranquila com minha coragem
Apenas olhando em volta
Sorrirei ao perceber o tamanho
De minha reviravolta

(Mônica Raouf El Bayeh)

Nenhum comentário: