“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

01/05/2009

A Telefonica não me entende

Disco 10315. "Olá! Bem vindo à sua central de relacionamento Telefonica! Se você deseja atendimento para o número hum-hum-cin-co-oi-to-oi-to-cin-co-no-ve-tres-qua-tro-cin-co por favor aguarde, senão digite o DDD, mais o telefone que deseja consultar. Se voce ainda não é cliente telefonica digite 3". Silencio. A voz parece que comeu pasta de amendoim e já me intui o que vem pela frente. "Para facilitar o seu contato, desenvolvemos um novo sistema de reconhecimento de fala. Por exemplo, fale: como faço para solicitar o speedy? ou, como faço para consultar minha conta? lembre-se, isso é apenas exemplo". Ah, tá, mas não pense que é assim rápido como você leu, é bbemmllennttammennttee. Falando ou não, ela dirá: "desculpe não entendi. Fale numa frase curta qual o motivo de sua ligação". Tenho que rir, ela insiste: "se quiser saber mais sobre esse atendimento, disque 2". Disco 2, porque aceito a provocação e quero conferir até onde vai a brincadeira. Pelo menos este atendimento não é daqueles em que a voz lista 14 opções e quando chega na sexta, você já esqueceu o que era mesmo que você queria. Então, ela repete tudo pastosamente de novo. Telefone com defeito! Digo pausadamente para respeitar o ritmo dela. "Você falou: te-le-vi-são". Eu não disse televisão! "Fale novamente". Meu telefone está com defeito. " Você falou: te-le-vi-são". Mas porque falaria televisão? Não falei não! Eu falei que o telefone está com defeito, está mudo, já estou perdendo a paciência. "Estou com dificuldades. Aguarde um de nossos atendentes". Até que enfim! Seja o que for que você disser, a moçoila com voz de amendocrem, não vai conseguir resolver e vai te passar para um atendente. Depois de uma eternidade: "Boa tarde, com quem falo?" Rindo demais, não consigo falar. "Em que posso ajudá-la? Ainda bem que a senhora é bem humorada, estou acostumado a estar recebendo (gerundismo é um outro capítulo) xingamentos a essas alturas". Pois é, agora entendi aquela propaganda que só entende Cochabamba no lugar de Bauru. Como é ridículo esse serviço. E como sou ridícula ao usá-lo. Acho que a Telefonica deveria voltar para a Espanha, com seu novo sistema que não reconhece fala alguma. Não há como reclamar. Continuo com o telefone mudo, há 10 dias, acumulando 3 protocolos de reclamações e, agora sim, nada de gargalhadas que perdeu a graça, mas um belo xingamento na ponta da língua nada parecido com coxambamba no 4º protocolo da coleção!

Nenhum comentário: