“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

09/07/2009

São Paulo debaixo do lixo

Na rua da Padaria Trevo - Praça da Seringueira na Vila Facchini

Na rua da Padaria Trevo - Praça da Seringueira na Vila Facchini

Na rua da Padaria Trevo - Praça da Seringueira na Vila Facchini

Na rua da Padaria Trevo - Praça da Seringueira na Vila Facchini

Na rua da Padaria Trevo - Praça da Seringueira na Vila Facchini


Na rua da Padaria Trevo - Praça da Seringueira na Vila Facchini

Na rua da Padaria Trevo - Praça da Seringueira na Vila Facchini

Na rua da Padaria Trevo - Praça da Seringueira na Vila Facchini
Fotos de Ada 9/7/2009
Construir é bem mais complexo e demorado, requer inteligência. Destruir é rápido, instantâneo e burro. As meninas que trabalham na área de saúde do meu bairro (Vila Facchini/Jabaquara/São Paulo), passaram uma manhã inteirinha para limpar o lixo da pracinha. Foram 16 pessoas num trabalho voluntário e digno. Cuidar da saúde implica em saneamento. 

Mas em cinco minutos, vem o primeiro vizinho e joga seus sacos de lixo, não se importando se é sábado, domingo, ou se o caminhão do lixo acabou de passar. Pior: a farmácia em frente à pracinha (Rua Hildebrando Siqueira) também joga seus detritos ali, foram encontradas até seringas usadas pela farmácia da rua! Absurdos inaceitáveis na cidade mais desenvolvida do Brasil. 

Por outro lado, a população carece de educação e conscientização. Tenho dezenas de protocolos na sub-prefeitura solicitando limpeza. Já foi colocado lixeira coletiva na praça. Mas, o trabalho realizado não dura uma semana.. amanhece e depara-se com um sofá ou uma privada largados que ali ficarão por dezenas de dias...

Mas também, é bem difícil exercer a cidadania, denunciar, reclamar, reivindicar. Não existem mecanismos para este exercício. Não temos voz. Há muita impunidade, de cima a baixo. Tenho vergonha de morar num bairro assim. Tenho vergonha do Prefeito, que não cuida dos bairros, da cidade e de seu povo. 

Precisamos preencher, cada vez mais, todas as vagas existentes nos cargos públicos - não algumas poucas apenas - com cidadãos comprometidos com o progresso, com a prosperidade de todos... e isso requer organização popular! (Ada 9/7/2009)

Nenhum comentário: