“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

12/09/2009

Detesto sacar rolhas, mas pensando bem...


As rolhas nas garrafas de vinho estão com seus dias contados. Serão substituidas por tampas de alumínio, talvez feito as dos refrigerantes. Acreditam que isso está causando polêmicas? Há dois lados da moeda a serem analisados. De um lado, a rolha de cortiça que agrega charme e valor ao vinho. Do outro lado, as roscas de alumínio que vedam bem as garrafas de vinho e ainda permitem uma abertura simples, sem uso de um saca-rolhas. 

Economicamente, as roscas de alumínio são bem mais baratas que uma rolha convencional. Defensores do novo sistema chamado ScrewCap, alegam que as rolhas são ultrapassadas e que além dos diversos defeitos, exigem que o vinho permaneça guardado na posição horizontal para evitar o ressecamento. 

Particularmente, taí uma coisa que detesto fazer: sacar rolhas! Mas, pensando bem, o ritual do tomar vinho pode perder parte de sua graça: as preliminares... Fui mais longe e pensei nas champanhes no ano novo, não vão mais pipocar um "viva" e arrancar-nos aplausos? 

Nenhum comentário: