“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

20/06/2010

Costa do Marfim: que merda foi a colonização!

Procuro conhecer a Costa do Marfim. Malogro. Não há uma só palavra confiável na internet. Vejo menções sobre rebeldia e apartheid, mas nenhum link me leva aos fatos. Frustrante não conseguir ver e ouvir o povo da Costa do Marfim. Apenas o que os colonizadores franceses e a mídia conivente escrevem sobre. Vou seguir relatando o que encontrei.


A Costa do Marfim é um país africano que foi colonizado pela França e na “Partilha da África”, onde alguns países europeus ficaram com partes da África, não consideraram a cultura existente no continente. Óbvio! É esta parte que gostaria de descobrir. Conhecemos o que foi a escravidão no Brasil. Negros eram vendidos aos europeus pelo seu próprio rei tribal. Mas há devastação da colonização. E depois a do capital. Ah! O capital! E não consigo encontrar a cultura das diversas tribos, e nem noticias sobre seus conflitos étnicos.


Costa do Marfim, dita em francês fica Côte d'Ivoire. Vergonhosamente até o nome do país muda e a sua pronúncia é exclusiva do colonizador francês e precisa fazer o “biquinho” para falar. O idioma oficial é o francês: 76% da população fala predominantemente a lingua francesa e apenas 4% da população é de origem não africana. Depois falam o diula e o baulê, vai "sabê".


Mas o nome Costa do Marfim é uma referência ao grande número de elefantes que existia na região. A caça de elefantes e o comércio de suas presas se intensificou a partir do século 15. O marfim era usado para fazer bolas de bilhar e teclas de piano! Elefantes mortos aos milhares para divertimento e lucro. Hoje, eles podem ser vistos no Parque Nacional Comoé, patrimônio natural da humanidade. Que triste fim.




Persigo o site www.embaixadadacostadomarfim.org.br mas o  link não funciona. Frustração. Queria conhecer a tal arte tribal das 60 etnias que ainda permanecem, teoricamente. A cultura da Costa do Marfim é muito rica. Mais de sessenta grupos étnicos são frequentemente citados, embora este número possa ser reduzido para sete núcleos, com base nas características históricas e culturais comuns. Estes podem ser reduzidos a quatro grandes regiões culturais, diferenciadas em termos de ambiente, atividade econômica, linguagem, e características culturais. 


Muito complexas, as variações das artes dos povos Akan, kru, Voltaic e Mandé. Se destacam os trabalhos em madeira, de máscaras, xilofones e diversos objetos ornamentais e religiosos. As danças e a música dos povos das florestas ocidentais são particularmente atraentes. O museu de Abidjan conta com uma variada coleção de peças de arte nativa. Pena estejam nos museus, não encontrei na internet nem o museu, nem no meio do povo como a arte se revela.




A maioria são animistas, de manifestação religiosa imanente a todos os elementos do Cosmos: Sol, Lua, estrelas e a todos os elementos da natureza: rio, oceano, montanha, floresta, rocha e a todos os seres vivos: animais, fungos, vegetais e a todos os fenômenos naturais: chuva, vento, dia, noite.


Há mulheres que se pintam de caulim na Costa do Marfim





Economia


Apesar da independência da colonização da França ter sido decretada em 1960, não nos iludamos, o desenvolvimento econômico da Costa do Marfim é baseado na agricultura e a dependência permanece em outros contratos e patamares. O café e o cacau constituem 17 % do PIB e mais da metade do valor total das exportações. A Costa do Marfim é o primeiro produtor e exportador mundial de cacau, e o quarto para o café. No entanto, sabemos da extrema dependência dessas culturas aos preços internacionais, longe de se tornar independente!


Sua moeda é o franco. Durma com este barulho! O Franco CFA (CFA é abreviação de Colônias Francesas da África ) é uma moeda corrente usada em doze países africanos, anteriormente possessão francesa (Camarões, Costa do Marfim, Burkina Faso, Gabão, Benim, Congo, Mali, República Centro-Africana, Togo, Níger, Chade e Senegal).


Futebol


Mas o assunto do momento é a copa, e hoje, o jogo do Brasil com a Costa do Marfim. Enquanto escrevo e pesquiso, posso ouvir os fogos e as vuvuzelas em comemoração à vitória de 3 a 1 para o Brasil. Alheios à cultura, origens e história de um povo, apenas assistimos a uma partida de futebol. Limitadamente. E confesso que fiquei consternada com a perda da Costa do Marfim. Sou brasileira, tá certo, mas sou internacionalista no que de internacionalista for defender e conhecer os povos e sua dignidade. E depois que o jogo acaba, a vida continua.


O técnico da Costa do Marfim, é um francês, Henri Michel. Podia ser diferente? Um branco, mais que branco, um loiro de olho azul, dirigindo os craques negrões. O atacante Didier Drogba, astro da equipe e dono do gol contra o Brasil, disse que, dependendo do placar da estréia, sua seleção pode pensar alto. Até no título. "São sete jogos para ser campeão do mundo. Isso requer compromisso e trabalho, mas podemos sonhar com a taça", diz o craque do Chelsea (um dos principais clubes de futebol da Inglaterra e do mundo, fundado em 1905).




E o juiz, francês, expulsou Kaka? Meu deus! Deuses de ânima! Quase quebraram a perna de Elano, mas enfim, quem é o juiz da Costa do Marfim? Um francês, o mesmo que a colonizou.


Um canto reggae africano afrancesado


Alpha Blondy tem nome verdadeiro: Seydou Koné, nascido na Costa do Marfim, cantor de reggae. É muito popular na África ocidental. Estudou Inglês em Nova York, e na Universidade de Columbia, mas canta principalmente em Dioula, Francês e Inglês, ocasionalmente em Árabe ou Hebraico. As letras de suas canções expressam fortemente atitude e humor relacionados com a política. Inventou a palavra "democrature" (a qual se pode traduzir como "democradura", combinação de democracia e ditadura) para qualificar alguns governos Africanos.





Governo


República presidencialista. Com relativa estabilidade política nas últimas décadas, a Costa do Marfim entra em guerra civil em setembro de 2002. Negociações de paz levam a um acordo em 2003, mas o país continua cindido, com o norte sob o controle dos rebeldes.
Ultimamente, cerca de 50 mil franceses e outros europeus têm saído da Costa do Marfim devido a fortes tensões sociais incitadas pelas forças revolucionárias locais que clamam ser contra a ocupação estrangeira em seu território, especialmente contra os franceses.


Agrava-se a tensão na Costa do Marfim


Durante os protestos contra o Presidente, em fevereiro deste ano, pelo menos três pessoas morreram e dezenas ficaram feridas. A polícia disparou contra os milhares de manifestantes que foram para as ruas, após a dissolução do Governo e da Comissão Eleitoral.





"Ti ai ei", pronunciam os jovens africanos! 
Escreve-se T.I.A. é sigla em inglês para This is Africa. Pois Isto é África!

4 comentários:

Rita disse...

Bom dia Ada!Deu pra sentir a sua decepção qto. a falta de informações mais relevantes sobre a Costa do Marfim, vc é uma pesquisadora nata, sei q nunca desiste!
Boa semana, bjs.

ACASBLOG disse...

Continue sua pesquisa sobre a costa do marfim. Já aprendi tanto comvocê e tenho mais a apender. bom trabalho.

Ligia disse...

PRIMA SEMPRE ME ACRESCENTA LER O QUE ESCREVE. CONTINUE...PARABÉNS! BJOSSS

Elenara Stein Leitão disse...

Sabes que tentei achar informacões sobre a arquitetura da Costa do Marfim, mas não achei quase nada. Coloquei um link para essa tua postagem lá no meu sobre arquitetura chilena. Ótima pesquisa !
Beijos