“Se deixou levar por sua convicção de que os seres humanos não nascem para sempre no dia em que as mães os dão à luz, e sim que a vida os obriga outra vez e muitas vezes a se parirem a si mesmos.” (Gabriel García Márquez, em "O amor nos tempos do cólera")

23/03/2011

Carta de Jenny Scavinsky: O pobre é menosprezado


"esperando caridade" by Samir Alramahi
Oi Eliana, boa tarde, aqui uma tarde cinza, chuvosa sem alegria. Esqueci de dizer-lhe que seu gato de crochê, está dormindo no meu guarda-roupa, junto a uma pequena toalhinha de crochê para bandeja de café. Vamos ver quando é que posso levar-lhe, te aviso com antecedência.


Estou lembrando-me de quarta-feira próxima passada quando fomos para o Hospital das Clinicas, na oftalmologia e não sei por que não marcaram a data da operação de cataratas. Na seção, todos recém formandos fazendo residência, leva pelo menos dois anos.  Não fui atendida e Betinho soube de um outro caso idêntico ao meu, a mãe de um amigo dele. Por isso, ele vai se informar como deve fazer para ser atendido pela ouvidoria do hospital. Eu tenho até um papel assinado pelo Incor dizendo que estou apta para a operação de catarata. Presentemente passaram o atendimento para exames no principio de maio vindouro, Oh! Se eu pudesse dar queixa num jornal, puxa, como o pobre é menosprezado neste país. Mas não tenho dinheiro para ir para lá e lá pedir asilo.

Um abraço querida amiga, de Jenny


Mais cartas de Jenny

Um comentário:

Anônimo disse...

Querida amiga, estou aqui em lagrimas e muita emocionada. A venda do sitio foi concretizada... e eu estou chateada porque voltou tudo, aquela lembranças da vivencia com o fulano e o meu viver lá no sítio, minha santa, é uma merreca, eu gostaria de me enfiar num casulo e sumir não sei porque, trauma talvez... sabes que não tenho ninguem para desabafar... Um beijão Jenny